Skip to main content
search

O programa para descoberta de novos medicamentos contra o câncer do Instituto Nacional do Câncer dos EUA (NCI) foi o responsável pela descoberta e isolamento da molécula do paclitaxel. Sua atividade contra os tumores de mama e ovário chamou a atenção dos pesquisadores, mas a dificuldade em obter e diluir a substância em quantidades suficientes para produção de um medicamento em escala industrial fizeram que o uso terapêutico do Taxol fosse atrasado até a década de 90, quando a aprovação do paclitaxel foi seguida do uso de outros agentes semissintéticos da mesma classe como o docetaxel e o cabazitaxel.

Seu mecanismo de ação envolve a estabilização dos microtúbulos de actina, estruturas importantes para a movimentação dos cromossomos e das organelas celulares na divisão celular. Expostas ao paclitaxel, as células tumorais perdem a sua capacidade de se dividir de maneira ordenada e morrem. Esse mecanismo atua em sinergia aos outros agentes quimioterápicos e terapias alvo quando a droga é usada em combinação.

Os testes clínicos mostraram uma excelente atividade da droga que passou a ser incorporada nos protocolos de tratamento para os tumores de mama avançados ou metastáticos e em seguida, para doença inicial ou localizada como parte dos protocolos de tratamento neoadjuvantes e adjuvantes. Atualmente, em função de maior eficácia e segurança, tem sido dada preferência para o uso desta droga em intervalos semanais de aplicação. O paclitaxel também tem indicações aprovadas em tumores ginecológicos, gastrintestinais e pulmonares, entre outros sendo amplamente utilizado na oncologia contemporânea.

Como todos os medicamentos oncológicos, o paclitaxel requer cuidados e atenção aos efeitos adversos, sejam de curto ou de longo prazo. Antes de sua infusão (pre-quimioterapia), são necessários medicamentos para prevenir reações de hipersensibilidade que podem incluir vermelhidão na pele, palpitações e falta de ar. Também nos dias seguintes a sua infusão, as pacientes podem sentir sintomas como dores musculares, diarréia e náuseas. Embora incomum, pode ocorrer a obstrução do canal lacrimal que pode provocar lacrimejamento excessivo em um ou ambos os olhos e deve ser reportado ao oncologista. Atenção especial deve ser dedicada a redução na contagem de células de defesa, o que pode deixar as pacientes vulneráveis a infecções. Caso a paciente tenha febre, no intervalo entre as sessões, deve comunicar imediatamente ao oncologista e procurar atendimento de emergência.

Após algumas semanas de uso e num prazo mais longo podem surgir dormência e alterações de sensibilidade com um padrão simétrico nas mãos e nos pés (neuropatia periférica), efeito que pode ocorrer com todos os texanos e em alguns casos pode ser de difícil recuperação.

Em resumo, o paclitaxel é uma droga essencial nos cuidados que uma paciente vai receber na sua jornada do combate ao câncer de mama. Muito eficaz e bem tolerado pela grande maioria das pacientes, esse medicamento traz ganhos de sobrevida e das taxas de cura sendo parte importante do arsenal terapêutico de combate à doença.


Autor:

  • Dr. Markus Gifoni – MD. MSc. PhD. – CRM CE 7928
    Oncologista Clínico da Oncologia D’Or em fortaleza, Professor de Oncologia da Universidade Federal do Ceará
Portal Câncer de Mama Brasil

Portal Câncer de Mama Brasil

Dr. Eduardo Millen • Rio de Janeiro/RJ – CRM-RJ: 5263960-5
Dr. Felipe Zerwes • Porto Alegre/RS – CRM-RS: 19.262
Dr. Francisco Pimentel Cavalcante • Fortaleza/CE – CRM-CE: 7.765
Dr. Guilherme Novita • São Paulo/SP – CRM-SP: 97.408
Dr. Hélio Rubens de Oliveira Filho • Curitiba/PR – CRM-PR: 20.748
Dr. João Henrique Penna Reis • Belo Horizonte/MG – CRM-MG: 24.791

Close Menu