CORONAVÍRUS E CÂNCER DE MAMA – 12/03/2020

Estamos vivendo uma pandemia de coronavírus e isto tem causado pânico entre a população, principalmente nas pacientes que tem câncer de mama. Mas, existe motivo para todo este medo? Dr. Guilherme Novita conversa com o Dr. Marcelo Litvoc, Infectologista do Hospital Sirio Libanês e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Atualmente, o que se sabe é que se trata de um vírus altamente contagioso, que causa uma forma de gripe mais agressiva que a influenza comum.

Em alguns grupos de pessoas, a infecção por coronavírus é altamente preocupante. A população com mais de 70 anos tem elevadas taxas de mortalidade (8%) ou internação em UTI. Outro grupo de risco são as pessoas com doenças crônicas, inclusive o câncer (taxa de óbito: 5%).

Já as crianças e os adultos com menos de 60 anos têm risco muito baixo de desenvolver as formas mais graves, portanto não há motivo para pânico nestes grupos.

Em relação a quem tem ou já teve câncer de mama, o risco vale principalmente para as pacientes que estejam na vigência de quimioterapia e com imunidade reduzida.

As pacientes que já trataram o câncer de mama no passado ou que estejam com a imunidade normal têm o mesmo risco de desenvolver as formas mais graves da doença que outras pessoas da mesma faixa de idade.

Obviamente, não devemos menosprezar a doença. As pessoas que apresentem febre com falta de ar devem procurar um serviço de saúde para avaliação.

Mas, também não há motivos para entrarmos em pânico. Vale lembrar que existem outras doenças que causam muito mais mortes, com as quais já convivemos. Por exemplo, outras doenças como o sarampo e a dengue são muito mais perigosas para quem mora no Brasil.

Portanto, se acalme e continue com a sua vida e o seu tratamento!

As principais medidas preventivas são evitar contato, lavar as mãos e usar álcool gel. As pessoas com sintomas de gripe devem usar máscara até elucidar a causa. A vacina da gripe também é recomendada.

Não há necessidade de quarentena, mas recomenda-se que as pessoas mais expostas (idosos ou com imunidade baixa) evitem locais com muita aglomeração.

Em breve traremos mais atualizações sobre o assunto!

Compartilhar