Câncer de mama em mulheres idosas.

De modo geral o tratamento do câncer de mama na mulher idosa deve seguir as mesmas diretrizes usadas na população geral.

Câncer de mama em mulheres idosas.

O risco de câncer de mama é proporcional à idade e com o envelhecimento da população é cada vez mais frequente o aparecimento da doença após os 70 anos. Existem tendências a diminuir o tratamento neste grupo e isto pode prejudicar as chances de cura. Na maioria das vezes, a mulher dita “idosa” pode ser tratada da mesma forma que aquelas mais jovens.

A primeira questão a ser respondida é: quem é a idosa? Segundo a lei brasileira, as pessoas acima de 60 anos já estão idosas. Já a Organização Mundial de Saúde sugere 65 anos. Na maior parte dos estudos médicos, as pacientes com mais de 70 anos são consideradas idosas.

Porém, a grande questão não é a quantidade de anos vividos. O aspecto a ser levado em conta é a presença de doenças associadas, pois isto que realmente impacta a vida. Obviamente, as pessoas mais velhas tendem a ter maior número de doenças e usar maior quantidade de medicações.

Frequentemente os médicos se deparam com casos em pessoas de idade avançada em que a própria família questiona se o tratamento será mesmo necessário ou se não irá causar mais danos que a própria doença. Este conceito, de modo geral, está errado. A maioria destas pacientes irá se beneficiar do tratamento e as eventuais omissões podem diminuir a expectativa e a qualidade de vida.

Outra lenda sobre o assunto é que independente do tratamento, a pessoa idosa tenderia a morrer de outras causas e isto não seria alterado. Na verdade, mesmo as pacientes acima de 70 anos com tumores mamários iniciais têm risco quase 20% de morte por câncer de mama. Em média, metade das mulheres idosas com câncer de mama morrem desta doença e não de outras moléstias.

Para piorar, ao avaliarmos exclusivamente a mortalidade por câncer de mama, notamos que as mulheres idosas têm menor chance de cura que as jovens. Isto ocorre principalmente por 2 razões: atraso no diagnóstico e omissão de tratamentos.

De modo geral, as mulheres acima de 70 anos não costumam fazer mamografia de rotina. E muitas vezes tendem a não reportar sintomas mamários, tais como nódulos. Isto faz com que grande parte dos tumores nesta idade seja detectada em estágios maiores que as mulheres mais jovens.

O tratamento deve seguir os mesmos preceitos das mulheres mais jovens, exceto obviamente em situações de impossibilidade clínica. As cirurgias conservadoras da mama são sempre preferenciais. Nos casos de mastectomia a reconstrução pode ser discutida.

A radioterapia apresenta poucos efeitos colaterais e reduz consideravelmente o risco de um novo câncer na mesma mama. As chances de cura não se alteram com este tratamento, que pode ser dispensado em pessoas com mobilidade reduzida e tumores de bom prognóstico.

O tratamento com medicamentos é mais complexo. As pessoas idosas têm maior risco de problemas cardíacos e na medula óssea, onde são produzidos glóbulos vermelhos e brancos. Sendo assim, a quimioterapia é bastante discutida, pois os efeitos colaterais podem ser graves. Já o bloqueio hormonal e as terapias alvo são geralmente bem toleradas e usadas rotineiramente.

De modo geral o tratamento do câncer de mama na mulher idosa deve seguir as mesmas diretrizes usadas na população geral. Obviamente, quando existirem limitações clínicas, podemos fazer adaptações e diminuição desta terapia.

 

Autores:
Compartilhar