Dez perguntas sobre quimioterapia no câncer de mama inicial durante a pandemia

Com a chegada do novo coronavírus, observamos mudanças nos protocolos de tratamento do câncer de mama inicial. Muitas dessas mudanças tem o intuito de manter uma imunidade adequada durante a pandemia e a quimioterapia tem um papel preponderante, pelo impacto que acarreta em nosso corpo. Selecionamos dez perguntas acerca desta terapia durante a pandemia

Dez Perguntas Sobre Quimioterapia no Câncer de Mama Inicial durante a Pandemia

A quimioterapia faz parte do “pacote” de tratamento oncológico de parcela considerável das mulheres com câncer de mama. Entretanto, não é isenta de efeitos adversos. Um destes efeitos, a imunossupressão, é especialmente importante neste momento: desde o final de 2019, surgiu um novo coronavírus. COVID-19, nome designado para a doença causada por esse vírus, alterou o modo de vida das pessoas, devido a sua facilidade de transmissão, mas sobretudo ao numero de pessoas com formas mais graves da doença, entre elas aquelas em tratamento oncológico. Trazemos dez perguntas que você gostaria de questionar.

O que é quimioterapia?

A quimioterapia é um grupo de medicamentos que podem destruir as células cancerígenas.
Ela é usada de várias maneiras: pode ser administrada para livrar o corpo do câncer e/ou ao mesmo tempo diminuir o tamanho do tumor para que a cirurgia possa ser realizada (intuito curativo) ou controlar a doença metastática (intuito paliativo).

Como funciona a quimioterapia?

Existem vários tipos de quimioterapia, e cada uma pode funcionar de maneira diferente. Em geral, a quimioterapia ataca células que se dividem rapidamente, como as células cancerígenas, alterando sua capacidade de crescer ou se replicar. Isso pode causar a morte da célula cancerosa, por não funcionar adequadamente, e impedir que ela se espalhe, interferindo na sua capacidade de reprodução. No câncer de mama inicial, o objetivo é atacar as células malignas que eventualmente circularam pelo corpo antes de iniciar o tratamento.

Como os medicamentos quimioterápicos são administrados?

A maioria dos medicamentos quimioterápicos é administrada pela veia (EV), mas alguns tipos podem ser injetados nos músculos, sob a pele ou diretamente no líquido espinhal. Outros medicamentos podem ser apenas um comprimido.

A quimioterapia causa dor?

A quimioterapia, mesmo a EV, não deve causar dor durante a administração. Uma exceção seria se houvesse algum vazamento da droga. Avise a equipe imediatamente se sentir algum desconforto durante a infusão.

Quais são os efeitos colaterais mais comuns da quimioterapia?

Os efeitos colaterais dependem do tipo de quimioterapia. A razão destes efeitos é que os quimioterápicos afetam as células em rápida divisão. Isso afeta não apenas as células cancerígenas, mas também muitas células saudáveis do nosso corpo, como aquelas encontradas nos folículos capilares, na boca e no trato gastrointestinal. Outro efeito comum é a supressão da médula óssea, com uma diminuição na contagem dos elementos do nosso sangue, entre eles os glóbulos brancos (neutropenia) podendo interferir na imunidade, muito importante nesta época de pandemia. Alguns medicamentos podem minimizar este efeito adverso (fatores estimuladores de colônias, por exemplo)

Vou perder meu cabelo?

Não obrigatoriamente, porém alguns medicamentos quimioterápicos causam perda de cabelo em graus diferentes. Algumas táticas podem minimizar a perda de cabelo, variando desde uma manipulação diária adequada do couro cabeludo até o uso de “toucas resfriadas” simultaneamente com a infusão, reduzindo a ação da droga no folículo piloso. Este último têm-se demonstrado uma opção segura e válida para minimizar este impacto, muito embora boa parte das mulheres ainda possam experimentar perda substancial de cabelo.

Eu vou me sentir doente o tempo todo?

O objetivo não é fazer você ficar doente com o tratamento, mas ficar melhor (curada do câncer). Entretanto, alguns sintomas podem aumentar a sensação de estar doente..
Há medicamentos muito eficazes para controlar muitos dos efeitos colaterais causados pela quimioterapia, como náuseas e vômitos.

Serei capaz de ter filhos?

Alguns quimioterápicos, e outros tratamentos contra o câncer, podem afetar a fertilidade em homens e mulheres. Se você tem idade para engravidar, é importante conversar sobre as opções para preservar a fertilidade antes de iniciar o tratamento oncológico, mesmo que não exista previsão inicial para tais medicamentos. Os pacientes estão tão focados no tratamento do câncer que não pensam neste tema, mas consultar um especialista em fertilidade antes de iniciar o tratamento permite que você explore suas opções mais completamente.

Quanto tempo vou precisar de quimioterapia?

Isso depende do tipo de câncer que você tem, do quão avançado é e do objetivo de tratamento. Se o objetivo for curativo, como acontece no câncer de mama inicial, provavelmente a quimioterapia será apenas por um tempo limitado. Se for com intuito paliativo, muitos tratamentos têm duração indefinida no momento do planejamento.

Devo me preocupar com anticoncepção enquanto estou recebendo quimioterapia?

Apesar de incomum, uma gestação é possível, especialmente no início e no final no tratamento. É altamente recomendável que os pacientes usem alguma forma de controle de natalidade, como preservativos, para evitar gravidez durante a quimioterapia. Pode ser necessário continuar fazendo isso por algum tempo após o término do tratamento contra o câncer. Converse com seu médico para descobrir se isso se aplica a você. Lembre que anticoncepcionais orais ou qualquer anticoncepção que utilizem algum tipo de hormônio são contraindicadas em mulheres com câncer de mama.

Autores:

Compartilhar