Teremos mais mortes por câncer devido à pandemia?

Dentre as várias consequências das restrições de mobilidade urbana impostas devido à pandemia do Novo Coronavírus, uma causa grande preocupação: o que fazer com pacientes com câncer? Devemos suspender consultas, exames, cirurgias, tratamentos, para evitar disseminação do COVID 19?

Teremos mais mortes por câncer devido à pandemia?

Desde o início da pandemia vários pacientes sofreram em maior ou menor grau algum tipo de modificação nas suas condutas, sejam elas preventivas, diagnósticas ou terapêuticas. Este é um caráter democrático da pandemia: afeta a todos, no mundo inteiro.

Artigo publicado no jornal inglês The Guardian alerta que a crise do Coronavirus pode levar a 18.000 mortes adicionais devido ao câncer no próximo ano no Reino Unido, devido ao atraso nos tratamentos e consultas.

Quando o mundo se deu conta que o problema era muito maior do que o inicialmente pensado (não era mais uma gripe que afetava somente a população asiática), logo após a Itália se tornar o epicentro Europeu, com imagens e relatos assustadores, várias Sociedades Científicas Internacionais lançaram Recomendações sobre como manejar pacientes com certos tipos de doença, em especial aqueles pacientes com doenças potencialmente letais, como o câncer.

Consultas e cirurgias eletivas (não urgentes) foram suspensas no mundo todo. Casos relacionados à câncer foram manejados individualmente, de acordo com tipo de tumor, gravidade e opções de tratamento.
Exames de rastreamento (realizados em pessoas assintomáticas com objetivo de detectar precocemente a doença ou de averiguar se já disseminou pelo corpo em caso de diagnóstico de câncer) foram cancelados ou postergados, com sugestão de serem retomados após a pandemia.

A intenção destas ações é conhecida de todos: “achatar” a curva de contaminados para preparar os insumos (leitos, respiradores) hospitalares para os doentes graves. Como não há medicação comprovadamente efetiva, nem vacina a curto prazo, a única alternativa é preparar-se para as possíveis internações. A forma mais efetiva de achatar a curva é o distanciamento social. Mantendo as pessoas em casa eu diminuo a possibilidade de contágio.

Este distanciamento ou isolamento social atrapalhou o tratamento de muitas pessoas ao redor do mundo, com consequências que só serão conhecidas futuramente.

O que não podemos esquecer, é que as pacientes em tratamento de câncer muitas vezes não podem esperar o final da pandemia (que ninguém sabe ao certo quando será).

As recomendações internacionais são unânimes em advertir que os pacientes não devem abandonar seus tratamentos oncológicos, sob pena de afetar a eficácia dos mesmos.

Vários hospitais estão se preparando para retomar suas cirurgias eletivas, propiciando ambientes mais seguros e graus variados de prevenção à contaminação.

Em relação aos exames de rastreamento, em especial à mamografia, no caso do câncer de mama, ainda não há sugestão de retorno à realização dos exames. Não saberemos como isto afetará nossas pacientes no futuro.
Recente revisão publicada na revista científica Cancers estima que a realização de mamografia de rastreamento diminuiria a mortalidade de câncer de mama em até 33%.

Recente texto no Medscape Oncology chama atenção para este tópico: “As restrições
ocasionadas pelo Coronavirus levarão a um maior número de casos avançados de câncer?”

Não há como estimar corretamente se haverá ou qual será a magnitude de prejuízo em relação ao prognóstico de câncer de mama pelo atraso no diagnóstico precoce. Devemos seguir as recomendações de nossas Sociedades Científicas e avaliar a situação da pandemia em cada região, estado e cidade, a fim de minimizar eventuais prejuízos futuros, ponderando com a recomendação ainda vigente de distanciamento social.

Autores:

Compartilhar