Linfadenectomia Axilar

A linfadenectomia axilar consiste na retirada de linfonodos da axila em casos de câncer de mama. Os linfonodos ou gânglios fazem parte do sistema linfático, que faz a defesa do organismo. São conglomerados de células de defesa, assim como as amigdalas. A linfadenectomia axilar normalmente é utilizada quando a cirurgia procura retirar todos os linfonodos da axila. As cirurgias mais seletivas são chamadas de biópsia de linfonodo sentinela.

LINFADENECTOMIA AXILAR

ANTES E DEPOIS DA CIRURGIA.

LINFADENECTOMIA AXILAR / ESVAZIAMENTO AXILAR / LINFADENECTOMIA.

A cirurgia de retirada dos linfonodos axilares é conhecida por linfadenectomia axilar ou esvaziamento axilar ou linfadenectomia. O procedimento retira os linfonodos presentes na região axilar. Normalmente são retiradas cerca de 10 a 20 gânglios, porém este número pode variar.

Na axila existem vários nervos e vasos sanguíneos importantes. A cirurgia deve ser cuidadosa, pois a lesão destas estruturas pode causar sequelas na movimentação do braço. Felizmente, os eventos adversos graves são raros, mas não impossíveis.

A principal indicação de linfadenectomia axilar é a presença de linfonodos clinicamente comprometidos no momento da cirurgia. Normalmente estes casos são submetidos à quimioterapia antes da cirurgia, mas nem sempre os linfonodos regridem.

O grande efeito colateral do esvaziamento axilar é o linfedema (inchaço do braço) que ocorre em 20% das mulheres, principalmente naquelas mais idosas ou acima do peso. A fisioterapia precoce é fundamental para orientação e prevenção deste problema.

O preparo para a cirurgia requer jejum de 8 horas e todo medicamento utilizado na semana anterior deve ser comunicado ao médico. Obviamente, recomenda-se evitar associar tabagismo e ingestão de bebidas alcóolicas no período peri-operatório.

A anestesia geral é a mais utilizada neste tipo de cirurgia. Geralmente a cirurgia é pouco dolorosa e medicações analgésicas sempre são prescritas após a alta.

De modo geral, as pacientes submetidas a este procedimento ficam internadas de 12 a 24 horas. Salvo exceções, as pacientes permanecem com drenos cirúrgicos por cerca de 7 dias (ou até drenar menos de 50 ml em 24 horas).

Para maiores informações sobre o manejo dos drenos veja o vídeo:

A paciente deve permanecer em repouso por cerca de 7 a 14 dias, isto é muito importante para evitar edema, sangramento (hematoma) ou acúmulo de líquido (seroma). Porém, a paciente não necessita ficar com o braço imóvel. Inclusive, a movimentação do braço ajuda a diminuir rigidez do ombro posteriormente. O que se recomenda é que nos primeiros dias após a cirurgia seja evitado abrir o braço do lado operado em mais de 90° ou esforço excessivo (carregar peso, digitação excessiva, etc.).

Outro cuidado pós-operatório importante é a limpeza dos curativos ou da cicatriz. Alguns curativos devem ser trocados diariamente, mas normalmente os curativos mais duradouros são preferidos. A limpeza com água e sabonete geralmente é a melhor forma de evitar infeções de ferida cirúrgica.

Todas as alterações no período pós-operatório devem ser comunicadas ao médico e os retornos costumam ser semanais nos primeiros dias.

Autores:

Compartilhar