Mastoplastia em mama oposta após reconstrução contralateral

A mastoplastia em mama oposta após reconstrução contralateral é a cirurgia utilizada para a simetrização da mama contralateral após a cirurgia do câncer. Várias técnicas podem ser utilizadas para deixar a mama saudável o mais parecido possível com a mama operada pelo câncer. Normalmente se utiliza a mamoplastia redutora ou a mastoplastia de aumento (colocação de prótese de silicone).

Mastoplastia em mama oposta após reconstrução contralateral

ANTES E DEPOIS DA CIRURGIA.

MASTOPLASTIA EM MAMA OPOSTA APÓS RECONSTRUÇÃO CONTRALATERAL.

As pacientes com câncer de mama muitas vezes necessitam cirurgias reparadoras, com técnicas de reconstrução mamária total ou parcial. A mastoplastia em mama oposta após reconstrução contralateral é autorizada pelos planos de saúde como parte do tratamento e serve para simetrizar a mama oposta.

As técnicas cirúrgicas mais utilizadas para a simetrização são a mamoplastia redutora e a mastoplastia de aumento (colocação de prótese de silicone). Mas, várias outras técnicas podem ser utilizadas de acordo com cada paciente.
O preparo para a cirurgia requer jejum de 8 horas e todo medicamento utilizado na semana anterior deve ser comunicado ao médico. Obviamente, recomenda-se evitar associar tabagismo e ingestão de bebidas alcóolicas no período peri-operatório.

A anestesia geral é a mais utilizada neste tipo de cirurgia, com uso de bloqueios locais para diminuir a dor após a cirurgia. Algumas cirurgias podem ser mais ou menos dolorosas, a depender de sua extensão. Mesmo assim, medicações analgésicas sempre são prescritas após a alta.

De modo geral, as pacientes submetidas a este procedimento ficam internadas cerca de 24 a 48 horas e isto depende muito da cirurgia que foi realizada na mama doente. Salvo exceções, as pacientes permanecem com drenos cirúrgicos por cerca de 7 dias (ou até drenar menos de 50 ml em 24 horas).

Para maiores informações sobre o manejo dos drenos acesse:

A paciente deve permanecer em repouso por cerca de 30 dias, mas podem ocorrer variações individuais. O repouso pós-cirúrgico é muito importante para evitar edema, sangramento (hematoma) ou acúmulo de líquido (seroma). Porém, a paciente não necessita ficar com o braço imóvel. Inclusive, a movimentação do braço ajuda a diminuir rigidez do ombro posteriormente. O que se recomenda é que se evite abrir o braço do lado operado em mais de 90° ou esforço excessivo (carregar peso, digitação excessiva, etc).

Outro cuidado pós-operatório importante é a limpeza dos curativos ou da cicatriz. Alguns curativos devem ser trocados diariamente, mas normalmente os curativos mais duradouros são preferidos. A limpeza com água e sabonete geralmente é a melhor forma de evitar infeções de ferida cirúrgica.

Todas as alterações no período pós-operatório devem ser comunicadas ao médico e os retornos costumam ser semanais nos primeiros dias.

Autores:

 

Compartilhar