Novidades do 20º Encontro da Sociedade Americana de Cirurgiões de Mama

Evento de altíssimo nível científico contou com a participação dos principais atores que estudam câncer de mama no mundo

Na primeira semana de maio estivemos presentes no 20º encontro da Sociedade Americana de Cirurgiões da Mama, em Dallas, Texas, nos Estados Unidos. Um evento de altíssimo nível científico que contou com a participação dos principais atores que estudam câncer de mama no mundo.

É interessante salientar que após os Estados Unidos e o Canadá, o Brasil foi o país que teve o maior número de médicos participantes.

Os especialistas discutiram novidades, como a mastectomia robótica que está sendo conduzida em um estudo clínico randomizado na Itália, cujos resultados preliminares demonstraram aumento de satisfação das pacientes no ponto de vista estético apesar de ser uma cirurgia com custos mais elevados e mais demorada do que a mastectomia tradicional.

Foram apresentadas também atualizações referentes aos procedimentos ablativos para tratar o câncer de mama, como a crioablação, que aparenta ser promissora principalmente em pacientes idosas, com tumores pequenos e com perfil biológico agressivo.

Dados interessantes também foram demonstrados em estudos clínicos randomizados realizados com pacientes que apresentam carcinoma ductal in situ de baixo risco e que estão sendo acompanhadas ao invés de tratadas com cirurgia. O grupo específico de pacientes que não se beneficiará com a cirurgia ainda está sendo pesquisado, bem como marcadores específicos para saber qual doença não precisará ser tratada.

Outro ponto extremamente importante é que as condutas realizadas pelos mastologistas brasileiros estão exatamente alinhadas com as condutas preconizadas nos principais centros de tratamento de câncer de mama do mundo. A principal diferença que notamos é que devido ao imenso gap financeiro entre os países e a burocracia regulatória brasileira, observamos que o acesso à incorporação tecnológica nos Estados Unidos é mais precoce e ampla do que no Brasil.

Autores:

 

Compartilhar