Como fazer o acompanhamento do câncer de mama?

Após o tratamento, a primeira dúvida é sobre quando e quais exames devem ser feitos para controlar a doença

Uma vez realizado o tratamento do câncer de mama a primeira dúvida que as pacientes têm é quando e quais exames deverão realizar para o controle. E esse controle periódico é denominado seguimento oncológico, embora alguns utilizam o termo Follow up.

O American Society of Clinical Oncology (ASCO), um dos mais importantes congressos mundiais sobre oncologia, recomenda que o acompanhamento do câncer de mama seja realizado periodicamente. O médico deve avaliar a história e queixas clínicas, o exame físico e a mamografia.

Qual a frequência ideal das consultas médicas?

Ainda de acordo com a recomendação da American Society of Clinical Oncology (ASCO), o exame físico e avaliação das queixas clínicas devem ser realizados a cada três a seis meses durante os primeiros três anos, entre 6 e 12 meses nos anos 4 e 5, e anualmente a partir de então.

Quais exames devem ser feitos e com que frequência?

Para mulheres que foram submetidas à cirurgia conservadora da mama, uma mamografia pós-tratamento deve ser realizada um ano após a mamografia inicial e pelo menos 6 meses após a conclusão da radioterapia. Depois disso, salvo indicação em contrário, uma avaliação mamográfica anual deve ser realizada.

Existem vantagens em fazer outros exames? A pesquisa de metástase a distância é necessária?

A ASCO recomenda ainda que hemograma completo, painéis bioquímicos, cintilografia óssea, radiografias de tórax, ultrassom hepático, ultrassonografia pélvica, tomografia computadorizada [18F], PET SCAN ou tomografia por emissão de pósitrons com fluordesoxiglicose, ressonância magnética e / ou marcadores tumorais (CEA, CA 19.9 , CA 15-3 e outros) não sejam realizados rotineiramente para acompanhamento de pacientes assintomáticos, sem achados específicos ao exame clínico.

O uso de qualquer dos exames acima deve ser reservado às indicações clínicas de acordo com as queixas e exame clínico observados durante as consultas de rotina de seguimento.

O uso destes exames em pacientes assintomáticos, sem suspeitas clínicas de metástases a distância, acarretam custos desnecessários e promovem ansiedade, com queda da qualidade de vida do paciente, sem nenhum benefício.

Existe vantagem em fazer muitos exames ou consultas?

Da mesma forma, as consultas de rotina devem respeitar os intervalos acima destacados, não havendo necessidade de consultas em intervalos menores.

Em casos de queixas, fora do período de consulta recomendado é importante que a paciente procure seu médico que saberá avaliar a partir da história e exame clínico qual exame solicitar.

Hoje em todas as consultas de controle de câncer de mama é importante que o médico oriente sobre os benefícios de realizar atividades físicas regulares, além da importância de manter hábitos sadios e evitar a obesidade.

Autores:
Compartilhar