5-Fluorouracil

O 5-FLUOROURACIL é o quimioterápico principal representante do grupo das fluoropirimidinas. Atua inibindo a enzima timidilato sintetase, impedindo a produção da fita de DNA. É utilizada no tratamento sistêmico de diversos tumores sólidos, principalmente os tumores gastrointestinais, mas também pode ser utilizado no tratamento do câncer de mama.

5-Fluorouracil

O que é o 5-FLUOROURACIL?
Nosso DNA é composto de unidades de bases nitrogenadas unidas entre si. Como se o DNA fosse um colar e as bases nitrogenadas fossem as pérolas. As bases nitrogenadas são adenina, timina, citosina, e guanina, representadas pelas letras A, T, C, e G, respectivamente. O uracil também é um exemplo de base nitrogenada, semelhante a timina, mas se encontra presente apenas nas moléculas de RNA, que é uma fita derivada do DNA que não possui moléculas de timina. No lugar de T, possui uracil. O uracil é um hexágono que possui um átomo de flúor na quinta posição das seis existentes. Daí o seu nome 5-FLUOROURACIL. Durante a produção de DNA, uma enzima chamada timidilato sintetase é fundamental para a formação de componentes que serão incorporados à fita de DNA. O 5-FLUOROURACIL inibe esta enzima, e consequentemente impedirá a duplicação do DNA e das células. Como os tumores são formados por células com intensa atividade proliferativa, eles serão particularmente vulneráveis à ação do quimioterápico, mas tecidos sadios também sofrerão as ações da droga.

Quais os nomes comerciais e formas de aplicação do 5-FLUOROURACIL?
O 5-FLUOROURACIL é disponível em forma de ampola e creme dermatológico. Na forma em ampola, para administração exclusivamente intravenosa, é encontrado sob o nome de FAULDFLUOR®. Na forma de creme, é encontrado como EFURIX®.

Quais são as indicações do 5-FLUOROURACIL?
O 5-FLUOROURACIL administrado por via intravenosa pode ser utilizado no tratamento de todos os tumores do aparelho digestivo, incluindo os tumores de fígado e biliopancreáticos, e também nos tumores de cabeça e pescoço, e colo uterino. No tratamento do câncer de mama pode ser utilizado em combinação com outros quimioterápicos, principalmente a ciclofosfamida e o metotrexate, formando o regime conhecido como CMF. Este regime foi um dos primeiros regimes quimioterápicos a demonstrar atividade no câncer de mama, mas com o advento de novos regimes de tratamento, passou a ser menos utilizado. Mas ainda permanece como uma opção terapêutica, tanto com a finalidade adjuvante ou no controle da doença.
O 5-FLUOROURACIL creme é indicado no tratamento de certas lesões cutâneas pré-malignas e malignas, além de poder ser utilizado no tratamento das manifestações clínicas da infecção causada pelo HPV (papilomavírus humano). Doenças da pele conhecidas como ceratose actínica, doença de Bowen, e epitelioma basocelular podem ser tratadas com o 5-FLUOROURACIL tópico em creme.

Quais são os principais efeitos colaterais do 5-FLUOROURACIL?
O 5-FLUOROURACIL atua em todos os tecidos do organismo, mas aqueles que naturalmente apresentam maior atividade proliferativa serão mais sensíveis aos efeitos da medicação, como a medula óssea e as mucosas. Na medula óssea, pode afetar as três linhagens sanguíneas (hemácias, leucócitos, e plaquetas), levando à anemia, queda da imunidade (leucopenia ou neutropenia), e queda das plaquetas (plaquetopenia ou trombocitopenia). Nas mucosas, pode produzir inflamação da mucosa da cavidade oral (mucosite ou estomatite) e do intestino (diarreia). Na cavidade oral, também pode induzir a formação de lesões pigmentadas. Tais lesões também podem surgir na palma das mãos e planta dos pés (síndrome mão-pé) e nas unhas (melanoníquia estriada). Os efeitos colaterais do 5-FLUOROURACIL são altamente dependentes da sua dose e da velocidade da infusão intravenosa. Quanto mais rápida, maiores tendem a ser as taxas de queda da imunidade, mucosite, e diarreia, além de náuseas e vômitos, por sua ação na mucosa intestinal e no centro do vômito localizado no sistema nervoso central.
Como dito acima, o 5-FLUOROURACIL age sobre uma enzima chamada timidilato sintetase, mas ele será metabolizado por uma enzima chamada DPD (di-hidropirimidina desidrogenase). Uma rara parcela da população, que varia de acordo com o país, pode apresentar deficiência parcial ou total da atividade desta enzima, o que levará ao acúmulo da medicação no sangue em níveis tóxicos, podendo levar à efeitos colaterais severos ou até mesmo fatais. Existem testes laboratoriais disponíveis para o diagnóstico do polimorfismo genético da enzima DPD, mas eles carecem de acurácia suficiente para predizer a ocorrência de eventos adversos graves. O teste da enzima antes da administração da medicação não é recomendado formalmente pelas principais agências regulatórias e sociedades médicas internacionais, podendo ser solicitado a critério clínico.

CONCLUSÃO:
O 5-FLUOROURACIL é um dos quimioterápicos de maior experiência clínica em Oncologia, com enorme utilidade no tratamento de diversos tumores sólidos, principalmente os tumores gastrointestinais. Seja de administração intravenosa ou tópica, é uma droga segura para a maioria dos pacientes, mas que demanda treinamento e experiência dos profissionais médicos, de enfermagem e farmácia. SEU USO SÓ DEVE SER FEITO APÓS PRESCRIÇÃO MÉDICA.


Autor:

  • Dr. Alexandre Jácome – CRM 40740 MG – RQE 25960
    Oncologista Clínico – Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo – Postdoctoral Fellowship pelo MD Anderson Cancer Center, USA.
Compartilhar