Aline Borges de Araújo

Aos quatro meses de gestação, com 31 anos, palpei um nódulo enquanto passava hidratante. Em um período de sete dias, estava com o diagnóstico. Câncer de mama na gestação. O mundo caiu. Faltou ar, faltou chão. Como lutaria contra a morte e geraria uma vida ao mesmo tempo?

Aline Borges de Araujo

Passei por várias avaliações até escolher a equipe que me acompanharia. Além do conhecimento técnico, precisava também de pessoas humanas e sensíveis que tornassem o que viria pela frente mais leve.

Foram nove químios durante a gravidez. Eu emagrecia e minha filha engordava, aproveitando só o que tinha de bom em mim! Um parto prematuro lindo, cheio de emoção. Ana Victória nasceu cheia de saúde, tendo alta junto comigo!

Dez dias depois, retomamos o tratamento e foram mais sete quimios com minha bebê acompanhando agora do lado de fora, no meu colo. Em seguida, fiz a Mastectomia com Reconstrução. Uma recuperação difícil, mais uma etapa a cumprir. Fomos então para a última etapa: a radioterapia.

Um ano e meio de tratamento. Foram diversos percalços, diversas intercorrências. Muitas coisas médicas e emocionais para administrar. Muitos medos, ansiedade, preocupações. Mas sempre com o acompanhamento de uma equipe linda é uma rede de apoio incrível que me fazia acreditar que tudo daria certo: e deu!!!! Cada uma das etapas e dificuldades foi necessária para hoje viver tudo o que estamos vivendo. Conforme o tempo vai passando, o medo de tudo voltar vai diminuindo. Os exames já não são mais verdadeiros monstros. Tudo vai se acomodando.
Desde o diagnóstico, Passaram-se quatro anos e estamos aqui, cheias de saúde, com uma linda história de fé e superação para contar!

Compartilhar