Infecções e Câncer

As taxas aumentadas de certas infecções, como gripe, gastroenterite, hepatite e pneumonia, apareceram associadas a um eventual diagnóstico de câncer, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Cancer Immunology Research.

Infecções e Câncer

O câncer é uma doença com causa multifatorial. É preciso ter um completo entendimento de sua fisiopatologia para programar medidas preventivas. Um estudo do tipo caso-controle, com cerca de 7 anos, usando um banco de dados no Japão, foi publicado na Cancer Immunology Research, um periódico da associação Americana de pesquisa do câncer (AACR). Esta análise foi feita para determinar a taxa anual de infecções entre adultos com 30 anos ou mais, sem imunodeficiências conhecidas anteriormente. Os casos incluíram 2.354 pacientes (idade mediana, 45,1 anos; 78,3% homens) diagnosticados com câncer entre julho de 2010 e junho de 2011. Os controles incluíram 48.395 indivíduos (idade mediana, 43,9 anos; 78,1% homens) que estavam livres de câncer entre 2005 e 2012. Os pesquisadores calcularam e compararam as taxas anuais de infecções por influenza, gastroenterite, hepatite e pneumonia entre controles e casos.

Os tipos de câncer mais comuns entre os casos incluíram digestivo / gastrointestinal (n = 583), cabeça e pescoço (n = 399) e estômago (n = 346). Outros tipos de câncer incluem respiratório / torácico (n = 288), célula germinativa (n = 271), geniturinário (n = 182), fígado (n = 99), câncer de mama (n = 60), hematológico / sangue / osso / medula óssea (n = 41), endócrino (n = 30) e desconhecido / outro (n = 55). Os pesquisadores observaram taxas mais altas de infecção entre os casos durante os 6 anos antes de um diagnóstico de câncer em comparação com os controles no mesmo período. Além disso, descobriram que certas infecções apareceram associadas a certos tipos de câncer. Por exemplo, a OR (razão de probabilidade) para infecção por influenza dentro de um ano após o diagnóstico de câncer foi maior entre aqueles com câncer de células germinativas masculinas (OR = 2,01; IC 95%, 1,31-3,09); a OR para pneumonia foi maior entre aqueles que desenvolveram câncer de estômago (OR = 3,59; IC 95%, 2,04-6,3); e a OR da infecção por hepatite foi maior entre aqueles que desenvolveram câncer hematológico, sanguíneo, ósseo ou da medula óssea (OR = 19,04; IC 95%, 4,55-79,67).

Os achados deste estudo vão ao encontro de um entendimento antigo: o câncer pode se desenvolver em um ambiente inflamatório causado por infecções. A imunidade de um indivíduo pode ser um fator no desenvolvimento do câncer. Entretanto, são necessárias pesquisas adicionais para entender a relação entre imunidade pré-cancerosa, infecções e desenvolvimento do câncer. Este estudo tem muitas limitações, entre elas a falta de informações sobre exposições ambientais, estilos de vida ou condições genéticas ou médicas subjacentes que poderiam ter contribuído para o aumento da infecção, além de causar câncer. As informações publicadas nesta revista podem contribuir para a geração de hipóteses e desenvolvimento de mais estudos para termos um completo entendimento do papel dessas infecções e o surgimento de câncer para, quem sabe no futuro, desenvolver protocolos para prevenir ou detectar câncer.


Autores:

Compartilhar