Sintomas crônicos relacionados à quimioterapia

Alterações dependem da quantidade de quimioterápicos recebidos e das reações ao tratamento

Quem recebe indicação para quimioterapia no tratamento pode ter alguns sintomas crônicos – tudo dependerá da quantidade de quimioterápicos e como o corpo reagirá ao tratamento. Seguem alguns exemplos de quais são esses sintomas:

Infertilidade: é decorrente da destruição dos folículos ovarianos pela quimioterapia. Os pacientes que desejam a preservação da fertilidade são orientados pelo médicos à indução da ovulação e coleta de óvulos antes de iniciar o tratamento.

Mudanças de cabelo: diversas pacientes relatam mudança na textura dos cabelos após a quimioterapia.

Perda de memória (chemobrain): há queixas de diminuição de concentração e memória, que pode ter duração variada de tempo. Estudos recentes utilizando ressonância magnética cerebral demonstraram que o estresse relacionado ao diagnóstico e tratamento podem relacionar-se ao aparecimento de chemobrain, mesmo em pacientes que não receberam quimioterapia. Os médicos aconselham às pacientes que persistem com o “chemobrain” a procurarem tratamento específico com neurologista e atividades que estimulem o sistema cognitivo.

Menopausa e sintomas da menopausa: a destruição das células foliculares do ovário acarretam em muitas mulheres submetidas à quimioterapia o aparecimento da menopausa em fase precoce. Além da destruição da população ovariana, 2/3 dos tumores de mama apresentam receptores hormonais positivos associados à progressão do câncer. Para as mulheres que apresentem tumores com estes receptores positivos, é realizado um tratamento específico, denominado hormonioterapia, que consiste no bloqueio dos hormônios femininos (estrogênio e progesterona) e, consequente, na menopausa precoce.

Dentre os sintomas de menopausa mais frequentes podemos listar:

Fogachos: ondas de calor, sobretudo noturnas. Pode ser tratada com atividade física, acupuntura e/ou tratamento farmacológico.

Secura vaginal, diminuição de libido, insônia, irritabilidade, depressão: são as principais queixas relacionadas à menopausa induzida pelo tratamento. Para cada sintoma, há um tratamento específico. Os médicos recomendam a atividade física para todos com intuito de melhorar o bem estar geral.

Osteoporose: diminuição de massa óssea que pode ocorrer em decorrência do tratamento quimioterápico, assim como da hormonioterapia e menopausa decorrente. É recomendável o controle de massa óssea, realização de atividade física regular e uso de suplemento de Vitaminas D e Cálcio. Algumas pacientes podem se beneficiar do uso de de tratamento específicos.

Neuropatia: Sintomas como formigamento, sensibilidade ao frio, calor, fraqueza principalmente em mãos e pés podem ocorrem em pacientes que recebem quimioterapia. Dentre os quimioterápicos mais comumente associados à neuropatia no câncer de mama, encontram-se os taxanos. Os sintomas tendem a desaparecer, mas podem persistir por tempo prolongado. Em casos de maior duração ou severidade, aconselha-se tratamentos específicos.

Síndrome Mão-Pé: sensação de dormência, formigamento e vermelhidão nas palmas das mão e plantas dos pés, normalmente associada a quimioterápicos como capecitabina e doxorrubicina.

Insuficiência cardíaca: decorrente da ação de drogas que atuam no coração, causando cardiomiopatia. Frequentemente é associada a altas doses de doxorrubicina, epirrubicina e podem também ser correlacionadas ao uso do traztuzumabe. É essencial que se controle a função cardíaca com ecocardiogramas periódicos durante todo o tratamento.

Aumento do risco de outros tumores e Leucemia: a associação de síndrome mieolodisplásica ou leucemia com tratamento quimioterápico é rara e normalmente ocorre após 10 anos de tratamento.

Autores:
Compartilhar