Docetaxel

O DOCETAXEL é um agente quimioterápico da classe dos taxanos, sendo uma substância semissintética derivada das agulhas do teixo europeu, uma árvore da espécie Taxus baccata. Atua como um agente bloqueador da divisão celular, por impedir a mitose das células tumorais. Esta medicação é indicada para tratamento do câncer de mama tanto em estágios precoces da doença quanto nos seus estágios avançados, independentemente da positividade dos receptores hormonais (receptor de estrogênio e receptor de progesterona).

Docetaxel

O que é o DOCETAXEL?

O DOCETAXEL é uma molécula semissintética clinicamente bem estabelecida, sendo utilizada principalmente para o tratamento do câncer de mama, de ovário, de próstata, de pulmão e de estômago. No câncer de mama, o DOCETAXEL tem um importante papel nos modelos de quimioterapia com intenção curativa quando aplicados após a cirurgia (quimioterapia adjuvante). O DOCETAXEL age por se ligar com alta afinidade a proteínas das células tumorais conhecida por tubulinas, impedindo a divisão celular (mitose) e consequentemente o crescimento tumoral. Uma vez que as tubulinas também fazem parte das células normais do organismo, espera-se que o uso do DOCETAXEL esteja associado a efeitos colaterais muitas vezes comuns aos agentes quimioterápicos.

Quais os nomes comerciais e formas de aplicação do DOCETAXEL?

O DOCETAXEL pode ser encontrado como medicamento genérico (DOCETAXEL TRI-HIDRATADO) ou sob o nome comercial de TAXOTERE® (original). Também podem ser encontrados similares: DOCELIBBS®, DOCETERE® ou ONCODOCEL®.

A medicação é vendida na forma de frasco-ampolas de 20mg ou 80mg e a dose calculada, a depender da superfície corpórea, deve ser administrada assepticamente por via intravenosa, separadamente de outros medicamentos.

Quais são as indicações do DOCETAXEL?

O DOCETAXEL é indicado para o tratamento do câncer de mama em estágios precoces e avançados da doença. Nos estágios precoces, o regime de quimioterapia pode conter a combinação DOCETAXEL e ciclofosfamida. Na doença que expressa a oncoproteína HER-2, o DOCETAXEL pode ser empregado em combinação com agentes como a carboplatina, o trastuzumabe e o pertuzumabe. No câncer de mama metastático, o DOCETAXEL pode ser utilizado como agente isolado de tratamento, principalmente com o objetivo de se minimizar os efeitos colaterais e a perda de qualidade de vida.

Quais são os principais efeitos colaterais do DOCETAXEL?
Os principais efeitos colaterais observados em pacientes que fazem uso de DOCETAXEL são:

  • Perda de cabelo (alopecia)
  • Fadiga e fraqueza (astenia)
  • Contagem baixa de glóbulos brancos (leucopenia)
  • Contagem baixa de glóbulos vermelhos (anemia)
  • Retenção de líquidos com ganho de peso (edema)
  • Efeitos gastrointestinais, como aftas, náuseas e diarreia
  • Alterações na cor e formato das unhas (depois de terminar o tratamento com docetaxel, geralmente as unhas voltam a crescer)
  • Neuropatia periférica (dormência nos dedos das mãos e dos pés, mais comum com doses repetidas)

No entanto, a maioria das pessoas não sente todos os efeitos colaterais relacionados ao DOCETAXEL. Os efeitos colaterais são frequentemente previsíveis em termos de seu início e duração, e cabe ao seu médico oncologista prevenir ou atenuar muitos destes efeitos adversos.

Importante ressaltar, que não há relação entre a presença ou gravidade dos efeitos colaterais e a eficácia do medicamento. Os efeitos colaterais do DOCETAXEL e sua gravidade dependem da quantidade do medicamento administrada. Em outras palavras, altas doses podem produzir efeitos colaterais mais graves.

CONCLUSÃO: o DOCETAXEL é uma medicação que atua como inibidor da divisão celular em tumores mamários. Deste modo, impede o crescimento tumoral, assim como o surgimento de metástases e diminui o risco de morte pela doença. O DOCETAXEL está indicado para pacientes com câncer de mama em estágio inicial ou avançado da doença, independentemente da positividade dos receptores hormonais (receptor de estrogênio ou receptor de progesterona). Apesar de ser uma medicação relativamente segura, podem existir eventos adversos graves. Seu uso só deve ser feito após prescrição médica, devido à necessidade de monitoramento e prevenção dos efeitos colaterais.


Autores:

  • Dr. Alessandro Leal – CRM-SP: 117.802
    Médico oncologista clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Diretor do Centro de Medicina de Precisão do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP.
  • Dra. Karime Kalil – CRM-SP: 120.298
    Médica oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP.
Compartilhar