Mariana Paes

No começo de 2015 estava tomando banho normalmente e senti um “caroço” no meu seio, pensei ser um cisto, nódulo ou qualquer coisa parecida, como já estava em tempo de passar com a ginecologista marquei a consulta.

Mariana Paes

No dia da consulta a Dra examinou e também percebeu o mesmo “caroço”, me pediu um Ultrasom da mama, no primeiro ultrassom que fiz o médico não encontrou nada, voltei na minha ginecologista com os resultados dos exames todos normais, mas Graças a Deus ela não se convenceu que aquele “caroço” era normal e mesmo não sendo rotineiro na minha idade, na época eu tinha 29 anos e um filho de 3, ela me passou uma guia para fazer uma mamografia e repetir o ultrassom.

‘Quando peguei os resultados destes exames começou o susto, abri os exames os dois na conclusão tinham BI – RADS 5, não fazia ideia do que isso significava, eis que caí na besteira de pesquisar na internet o que poderia ser, e tudo que lia era que eu tinha Câncer, e realmente tinha, mas hoje eu sei que aquilo não era uma sentença de morte e sim uma fase da minha vida que eu teria que enfrentar.

Voltei na ginecologista e ela me pediu uma biópsia e para que eu procurasse um mastologista, muito rapidamente fiz a biópsia, que confirmou o BI-RADS 5.

Com aqueles exames na mão depois de muito chorar e ainda sem ter certeza de nada, comecei a procurar mastologistas para entender realmente o que estava acontecendo comigo, entre algumas consultas, conheci o médico que me deu todo o apoio e atenção que eu precisava naquele momento, me lembro que foram 2 horas de consultas e muitas explicações e esperança, que foram muito importantes para me acalmar.

Em seguida este médico pediu para que eu marcasse uma consulta com a equipe de oncologia do hospital em que ele trabalhava e que eu faria o tratamento necessário, lá em conjunto decidimos que antes de iniciar qualquer tratamento, pelo meu histórico e idade, iriamos operar e retirar o tumor para analisa-lo e prosseguir com o melhor tratamento.

O Dr° me sugeriu que fizemos a mastectomia total bi-lateral com reconstrução, pois assim já sairia da cirurgia com a mama reconstruída e com chances mínimas de uma recidiva na outra mama.

E em um mês estava eu operando, em um hospital e equipe maravilhosos que junto com a minha família foi de extrema importância para minha recuperação, foram 8 horas de cirurgia, um pós-operatório dolorido nas primeiras 48 hrs, mas controlável com medicação, tive alta do hospital em 5 dias, já praticamente sem dor, somente com as limitações normais de uma cirurgia de mama.

Após 15 dias da cirurgia saiu o resultado do exame anatomopatológico do tumor e depois dos meus filhos, a melhor notícia que poderia ter na vida, estava praticamente curada, o meu tumor tinha 20 cm, mas como um milagre, maligno em somente 3 mm.

Então somente para acabar com qualquer vestígio de doença que poderia ter ficado, fiz algumas sessões de radioterapia, algum desconforto local, mas nada além disso graças à Deus.

Após o término das radioterapias passei a fazer acompanhamento de 6 em 6 meses e vida normal, ou melhor, vida melhor, aprendi que nenhum diagnóstico é uma sentença, devemos procurar uma equipe médica que passe confiança e acreditar em Deus que tudo dará certo.

EU VENCI O CÂNCER DE MAMA!!!

Compartilhar