O que é Doença de Paget?

Tipo raro de câncer tem diagnóstico diferencial com lesões que não se relacionam à doença

A Doença de Paget é um tipo raro de câncer de mama que se manifesta como uma lesão inicialmente eczematosa (avermelhada, descamativa e que pode coçar), podendo formar uma crosta no mamilo e ulceração e evoluindo deste para a aréola eventualmente. Tem tratamento e prognóstico semelhante aos outros tipos de carcinoma de mama.

Está associada ao carcinoma ductal in situ ou ductal invasor em média de 82% a 94% dos casos. Algumas vezes com uma lesão palpável ou massa identificada nos exames de imagem (mamografia ou ultrassom), outras não.

Esse tipo de lesão do mamilo apresenta um diagnóstico diferencial com lesões dermatológicas eczematosas que não se relacionam com câncer. O diagnóstico diferencial é clínico e pode necessitar de uma biópsia ou um tratamento de prova com medicamentos locais a base de corticoide por curto espaço de tempo para não retardar o diagnóstico de um câncer. O tratamento de prova é quando a aplicação de um medicamento e o sucesso na resposta ao tratamento confirmam a hipótese diagnóstica.

Diante de uma lesão suspeita de Paget, o mastologista irá solicitar, na maioria dos casos, além do exame clínico, exames complementares de imagem, como a mamografia e o ultrassom e, eventualmente, ressonância magnética. Por fim, uma biópsia do mamilo será necessária para o diagnóstico definitivo.

O tratamento é cirúrgico, com a remoção da região central da mama, incluindo o mamilo e aréola e alguma lesão maligna a mais que seja identificada pelos exames de imagem pré-operatórios. Associa-se à cirurgia, o tratamento com radioterapia como acontece em todo tratamento conservador de câncer de mama. A mastectomia só será necessária quando a lesão maligna associada a Doença de Paget no mamilo for muito extensa.

A biópsia do linfonodo sentinela deve ser realizada na eventualidade de um carcinoma invasor associado à Doença de Paget. Da mesma forma, as indicações de tratamento medicamentoso (quimioterapia ou hormonioterapia) seguem os mesmos padrões de indicação do tratamento do câncer de mama convencional.

Autores: