A importância do rastreamento mamográfico

A mamografia é o único exame capaz de detectar o câncer de mama em estágio inicial nas mulheres que não apresentam sintomas

O rastreamento mamográfico é a estratégia adotada para a detecção precoce do câncer de mama em mulheres que não apresentam sintomas. A mamografia é o único exame que demonstrou capacidade de reduzir a mortalidade desta neoplasia na população geral.

Existem discussões sobre qual a melhor estratégia para realizar o rastreamento mamográfico na população, que compreende a adoção de políticas públicas de saúde para que mulheres de determinadas faixas etária realizem a mamografia com uma periodicidade regular.

Estudos científicos demonstraram que a mamografia anual foi capaz de reduzir a mortalidade do câncer de mama nas faixas etárias de 40-75 anos, com maior benefício desta redução dos 50-69 anos.

Diante da necessidade de otimizar custos e aumentar taxa de cobertura populacional, diversos países recomendam a realização da mamografia bienal dos 50-69 anos. Nesta faixa etária, estima-se um benefício de 30% de redução da mortalidade do câncer de mama.

Contrariamente, as principais sociedades médicas determinam diferentes estratégias de realização da mamografia, iniciando em diferentes idades e com periodicidade entre anual e bienal:

  • American Cancer Society recomenda que seja oferecida a opção de realizar a mamografia anual para as mulheres entre 40-45 anos. Dos 45-54 anos, recomenda que seja realizada anualmente e a partir dos 55 anos bienal.
  • United States Preventive Service Task Forces (USPTF) recomenda que a decisão de iniciar o rastreamento antes dos 50 anos deva ser considerada individualmente com as pacientes após discussão dos riscos e benefícios.
  • No Brasil, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) recomendam que a mamografia seja realizada anualmente nas mulheres maiores de 40 anos até os 74 anos. Para mulheres acima dos 75 anos, a recomendação é fazer o rastreamento naquelas com expectativa de vida acima de 7 anos.

As diferentes recomendações baseiam-se na amplitude da diferença de benefício encontrado entre mulheres de 40-49 anos, comparadas àquelas entre 40-69 anos, nos riscos e custos relacionados ao rastreio.

Considerando o benefício, espera-se uma redução de até 30% da mortalidade por câncer de mama entre os 50-69 anos e 15% entre os 40-49 anos.

Com relação aos riscos, diversos autores discutem o risco dos resultados falso-positivos, que representam achados observados na mamografia que merecem investigação adicional e não representam câncer. Desta forma, achados falsos positivos elevam consideravelmente o estresse, a cancerofobia, assim como o custo do rastreamento populacional.

Nos últimos anos, o rastreamento mamográfico reduziu a mortalidade, uma vez que os tratamentos sistêmicos melhoraram consideravelmente.

Os estudos que criticam os programas de rastreamento consideram apenas como objetivo a redução da mortalidade, sem considerar a importante redução da morbidade e de custos do tratamento cirúrgico e, sobretudo, quimioterápico.

Desta forma é importante que você consulte seu mastologista para avaliar seus riscos e benefícios e individualizar a estratégia ideal do seu rastreamento.

Autores:
Compartilhar