Nadir de Almeida

Eu venci o Câncer de Mama!

Nadir de Almeida

No ano de 2010 por recomendação do ginecologista passei por consulta com o mastologista que realizou as quatro cirurgias que fui submetida, todas decorrentes do tumor maligno carcinoma ductal in situ, na mama esquerda.

Na primeira cirurgia realizada o nódulo maligno tinha padrões sólido com o maior foco medindo 0,4 cm, resultando numa quadrantectomia.

Na segunda cirurgia no ano de 2014, eu achava que teria alta médica, estava feliz, pois há 04 anos e 06 meses fazia tratamento médico, realizando periodicamente consultas, exames e diariamente tomando a medicação prescrita, mas o mesmo tumor retornou e dessa vez medindo 2,2 cm, sendo retirado, após a cirurgia passei por 20 sessões de radioterapia, iniciava no começo da manhã, em seguida ia trabalhar, sem nenhuma alteração na minha rotina ia e retornava a pé e sentia-me muito bem, andava cerca de 45 minutos na ida e 45 minutos no retorno.

Na terceira cirurgia no ano de 2016, quando recebi a notícia fiquei como o tempo, que neste dia apresentava uma tempestade muito forte com direito a granizo, enchentes e ventanias, a imensa tristeza foi devastadora como se a minha vida tivesse acabado, pois dessa vez, foi necessária a mastectomia, houve a mudança de convénio e consequentemente de médico, a oncologista prescreveu a hormonioterapia e continuei realizando os exames e consultas periodicamente e tomando a medicação diariamente, mas engordei, estava na menopausa e reduzir as minhas atividades físicas, por medo do seio sair correndo do meu corpo, agora acho engraçado, mas na época tinha o maior receio e cuidado, cuidado que tenho hoje, mas sem excessos.

Na quarta cirurgia no ano de 2018, eis que em certo dia fazendo aula de natação, noto um inchaço acima da minha mama esquerda, na hora eu “pirei”, nem fui trabalhar, consegui um encaixe no mesmo dia com a médica, que após me examinar me tranquilizou dizendo que não era nada, pois havia 02 meses que tinha realizado a mamografia e ultrassom e estava tudo certo, com a BI-RADS-02, que deveria retornar em 04 meses, mas um elefante pendurado no meu ouvido não me deu paz, então resolvi retornar ao meu médico inicial, que solicitou exames e para o meu desespero, tanto a mamografia como o ultrassom o resultado foi BI-RADS-04, nova recidiva, como não sei, só Deus explica.

No dia 30/10/18 passei pela 4a cirurgia com retirada de tumor de 5,5 cm e nova simetrização na mama direita. No retomo a consulta com o mastologista apesar de no meu intimo saber, foi confirmada a necessidade de quimioterapia como direi do tipo forte, tinha a ilusão que seria uma quimioterapia como direi leve (sem queda de cabelos) novamente o meu mundo explodiu e ruiu, não tinha tempestade mas a sentia dentro de mim, fazia anos que não chorava tanto, chorei com o mastologista e com o oncologista chorei mais ainda, na segunda semana de quimioterapia o meu cabelo começou a cair, hoje acho até engraçado, pois era colocar a mão no cabelo que vinha chumaços de cabelos na mão e resolvi raspar tudo, nossa muito estranho ficar careca e usar peruca (pois me recusava usar lenço e ficar com a cara e jeito de coitadinha), nas sessões de quimioterapia os efeitos colaterais que tive foram fadigas, inchaço no corpo e a minhas unhas ficaram totalmente azuis, após cada sessão sentia muito mais muito sono e foi a única fase de minha vida que não sentia fome, durante 02 dias só queria dormir e dormir, mas após esses 02 dias, vida normal, trabalhava normalmente, mas sem minhas adoradas caminhadas, pois não tinha fôlego. Nova sessões de radioterapia tridimensional conformacionada (3D-CRT) tive queimadura no pescoço, evolução de dermatite de grau 3 e esofagite grau 2, mas sem nenhuma alteração no meu apetite que retornou normal, não sei se por caso de imunidade, mas sentia muito cansaço, mas sempre tentava caminhar andava pouco mesmo como uma lesma e continuei a trabalhar 08 horas diárias, após 26 sessões de radioterapia, tive alta. Tomo diariamente nova medicação e realizo a cada 02 meses de heparina, pois tenho um cateter que é um dispositivo que foi utilizado para realização da quimioterapia colocando medicamentos diretamente na corrente sanguínea, sem a necessidade de puncionar veias do meu braço (é como uma moedinha que foi inserido no meu corpo) e consulto com o meu oncologista a cada 03 meses.

Agradeço a Deus nosso pai maior por tudo, sim passei por momento difíceis, mas não impossíveis de serem vividos, quanto você acredita e tem fé na vida, tudo fica mais sereno, tenho aprendido a agradecer o valor de cada novo amanhecer na minha vida, da minha família, dos colegas e amigos, do carinho e profissionalismo de todos que cuidarão e cuidam de minha saúde. Venho tentando diariamente a ser menos detalhista, mais alegre, menos “cri cri”, viver mais a vida com mais amor, pois nada acontece por acaso e se aconteceu comigo, por que não, vejo como um aprendizado, agradeço e oro por todos e como dizia um dos maiores médium e filantropo “isso também passa”.

São Paulo, 02 de setembro de 2020.

NADIR DE ALMEIDA

Compartilhar