Tucatinibe

O TUCATINIBE é uma nova droga oral, aprovada pelo FDA (Food and Drug Administration - EUA), para uso combinado com Trastuzumabe e Capecitabina, em pacientes com câncer de mama metastático positivo para HER-2 após a falha de pelo menos um medicamento anti-HER2 (segunda linha). Esta combinação mostrou importantes resultados, incluindo respostas nas lesões metastáticas cerebrais e efeitos colaterais toleráveis.

Tucatinibe

O que é o TUCATINIBE?
O TUCATINIBE é um medicamento oral que tem como mecanismo de ação inibir uma área específica do receptor da tirosina-quinase, enzimas que controlam a divisão celular e o crescimento tumoral. Portanto, inibindo esse receptor da tirosina-quinase, objetiva-se a interrupção do crescimento do tumor impedindo a célula de crescer e se espalhar. Essa seletividade melhora a tolerância à medicação, reduzindo os efeitos colaterais quando comparada aos primeiros inibidores da proteína HER2, como o lapatinibe e neratinibe.

Qual o nome comercial e as formas de aplicação do TUCATINIBE?
O nome comercial original é Tukysa®. O medicamento está disponível nos Estados Unidos nas apresentações de comprimidos de 50mg e 150 mg. Os comprimidos devem ser tomados inteiros com ou sem alimentação.

Quais são as indicações do TUCATINIBE?
O TUCATINIBE, em combinação o trastuzumabe e a capecitabina, foi recentemente aprovado pelo FDA (abril de 2020), após falha a pelo menos uma linha de tratamento sistêmico anti-HER2, para pacientes adultas com câncer de mama metastático HER-2 positivo, incluindo pacientes com metástases cerebrais.

Quais são os principais efeitos colaterais do TUCATINIBE?
As reações adversas mais comuns são diarreia, alterações de pele nas palmas das mãos e plantas dos pés (síndrome mão-pé), náuseas, fadiga ou vômitos. Em sua maioria, são efeitos colaterais manejáveis.

CONCLUSÃO:
O TUCATINIBE é uma droga oral que, em combinação com trastuzumabe e capecitabina, está indicada para o tratamento do câncer de mama HER2 positivo metastático, em segunda linha, incluindo as pacientes com lesões cerebrais secundárias. Os resultados mostraram ganho de sobrevida com efeitos colaterais toleráveis. Apesar de ser uma medicação relativamente segura, seu uso só deve ser feito com prescrição e acompanhamento médico.


Dra. Virginia Moreira Braga – CRM CE 12550
Oncologista Clínica da Pronutrir Oncologia, Fortaleza – Ceará.

Instagram: @vimbraga

Compartilhar